31 de Janeiro – Sábado

dsc04566reduzida

Para ficar na observação apenas dos bares que freqüentei este mês, poderia citar sete (Valle, Copo de Ouro, Salsa Parilla, Oratório, Bicho Papão, Botecário e Lopes) que tem a característica de estarem situados em esquinas, estarem em um prédio de dois andares e o andar de cima ser residência. O Café Cultura, localizado na Rua da Bahia 1476, esquina com Rua Timbiras, também tem esta característica.

O Café Cultura e Oratório funcionam em prédios mais antigos que são tombados e o primeiro, segundo informações do garçom, não pode ter nem a pintura externa alterada. O restante está em construções menos antigas e o Botecário, no Luxemburgo, manteve a característica, apesar de ser uma construção mais recente.

Este tipo de construção é muito comum em toda a região; saindo do Café Cultura passei na porta do Bar da Esquina (Timbiras com Sergipe) e no Sopa Carioca (Brasil com Pernambuco) que têm a mesma característica. Aliás, não apenas passei, mas parei no Sopa Carioca e assisti, em pé na calçada, os quinze minutos finais do empate, em 2 x 2, do Mineiro com o Tupi, lá em Juiz de Fora.

Meu consultor para assuntos históricos, o Gururu, me informou que o primeiro bar de esquina, em Belo Horizonte, ficava localizado na esquina entre Rua da Bahia e Avenida Afonso Pena, onde funciona o Othon Palace Hotel, na contra-esquina do que é hoje o Mercado das Flores. Nesta esquina do Mercado das Flores, funcionava o Ponto dos Bondes e os belo-horizontinos daquela época ficavam assentados neste bar, podendo observar, quando o bonde deles, ao longe, se aproximava. É lógico que esta é a versão oficial porque a maioria devia ficar observando os rabos-de-saia.

Este bar era o famoso Bar do Ponto muito citado pelo Drumond na sua obra, informação esta que me foi passada pela Marlene Iglésias que não é historiadora, mas sabe tudo.

Estas construções não abrigavam bares, originalmente, e sim as vendas, as mercearias, reservando o andar superior para o dono das mesmas que tinham o conforto de morar perto do trabalho e ser ajudado pelos familiares.

O Café Cultura serve bebidas alcoólicas, mas fiquei na água e café com pão de queijo, pois vim de uma barra pesada ontem e está prenunciando outra barra pesada amanhã. O interior do Café é moderno e harmoniza muito bem o estilo moderno do balcão e equipamentos com as antigas portas de aço, de enrolar, e o piso de ladrilho hidráulico.

Em todo o andar superior funciona uma escola de teatro e algumas lojas pequenas completam os negócios do andar inferior. O sol se põe no lado contrário, deixando a esquina com temperatura bastante agradável, até mesmo no fim de tarde quente que estava hoje. Optei por postar uma foto externa, onde pode ser visto as cores amarelo e vermelho da sua fachada e o aspecto de neblina, dado pelos raios do sol que vinham do lado de trás.

Fotografias antigas da cidade, nos quadros dependurados nas paredes, me ajudaram a viajar pela Belo Horizonte dos anos 20, com direito a “ficar olhando as saias de quem vive” praqueles lados.

Anúncios

4 Respostas para “31 de Janeiro – Sábado

  1. Tô inspirado e vou deixar mais um coe o mentário por aqui. Lembrei que esqueci de comentar sobre o botecário que o tilagusto achou triste. Se vc tivesse ido nesse buteco antes da reforma, talvez teria adorado ou então morrido de medo. Esse buteco chamava luxo&burgo (sempre adorei esse nome) e era um dos mais mal frequentados da região, mas era como que o lugar da Hh deles, então perigo não se corria, mas não se via muitos clientes “de fora” por ali. Uma das coisas que me chamavam muita atenção nesse velho buteco, era que um cliente assiduo amarrava seu burro no poste em frente ao bar para tomar sua cachaça diária e que aquele lugar nunca fechava, era daqueles que quando fecha o bar serve café. Já que se falou de história dos butecos, resolvi deixar minha contribuição, espero que útil.

  2. Olha, se tudo isso for virar livro depois, eu quero colaborar com a pesquisa histórica, OK??? Bjão, Augusto!

  3. augustonobuteco

    Aninha,
    estava faltando este olhar plástico; observava-se apenas o aspecto etílico. Já está feito o convite para você ser a orientadora. Acho que não devemos deixar para depois; quando você acha que podemos nos encontrar? Olha a fria em que você se meteu. Augusto

  4. Essa foto ficou mais pra London, London que pra BH, com esta neblina emoldurando o retrato…Aliás, este aí é Augusto ou Caetano Veloso?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s