Arquivo do dia: 31/03/2009

30 de Março – Surubim na Brasa

dsc04808reduzida

         A chuva que está chovendo em Belo Horizonte não está fácil. Ela está descontrolada, chove a qualquer hora, pára de repente, chove forte de novo. Está de um jeito que desanima qualquer butequeiro convicto a sair de seu caminho de casa para ir a um buteco.

Felizmente existem diversos butecos no caminho da minha casa e depois de constatar que os dois primeiros, nos quais tinha planejado ir, estavam fechados (hoje é segunda-feira), fui à terceira opção.

Pela quantidade de água de água que caia no cruzamento da Rua São Romão com Viçosa, que é um cruzamentos com grande histórico de alagamentos, posso dizer que “aportei” no Surubim na Brasa, na Rua São Romão 176.

A televisão só noticiva enchentes em Belo Horizonte e São Paulo: resgaste em carro ilhado, velha aposentada mostrando o sofá que estragou, gente chorando, o escambau…

Eu não quiz nem saber, pedi logo um chopp e uma porção de bolinhos de tilápia, que estavam muito saborosos enquanto estavam quentes e depois se mostraram muito gordurosos quando esfriaram. É uma cópia mal feita dos bolinhos de bacalhau que só servem para gente confirmar como são gostosos, essa coisa inventada pelos portugueses.

Aproveitei que chovia muito e terminei de ler o Rei da Noite do João Ubaldo, falando de velhice. Ele cita duas frases do Jorge Amado: “Já me falaram muito das alegrias da velhice, mas ainda não me apresentaram a nenhuma” e “A gente não aprende nada com a velhice; a única coisa que a gente aprende com a velhice é que a velhice é uma merda”, com as quais não necessariamente concordo.

Eles tem mais dois restaurantes: um na Getúlio Vargas e outro na Alagoas, mas este foi o primeiro a ser aberto e que fez grande sucesso quando lançaram seu prato principal que deu nome ao restaurante, lá pelo final dos anos oitenta (ou seria dos noventa?): o Surubim na Brasa à Moda PAM é servido com arroz, batata souteé, pirão e molho de ervas.

Este restaurante é uma mistura interessante de bar com restaurante; as mesas da larga calçada (que estão em um plano um pouco ao da calçada) funcionam muito bem como bar nos finais de tarde e manhãs de sábado e domingo e as mesas de dentro do estabelecimento guardam o recato necessário exigido para um restaurante, sem roubar dos comensais o prazer de apreciar o movimento da rua.

O cardápio variado de peixes (moquecas de surubim, salmão, surubim grelhado e a doré) e o chopp dão uma leve sensação de praia.

Não estranhem a camiseta. É que comecei a fazer academia para que os Hh ficassem mais gostosos.