Arquivo do dia: 06/06/2009

05 de Junho – Pacífico Bar Café

DSC05127reduzida

     Quem conseguir encontrar, em Belo Horizonte, uma rua que seja menor que a Rua Pains, no Sion, avisa, pois estou registrando na minha memória ter encontrado a menor das menores. Esta começa na Rua Santa Maria de Itabira e deveria terminar na Avenida Uruguai, mas foi invadida e a rua que já era pequena ficou menor ainda. Além de ser uma rua curtinha, é inclinada e constitui-se de uma vilazinha com três casas, a entrada da garagem do prédio da Letícia e o Pacífico Bar Café, que fica no número 33.

     A casa foi construída para ser um escritório de arquitetura e, desde 94, funciona como bar, que pertenceu, inicialmente, ao Pacífico Mascarenhas (maior nome da bossa-nova belo-horizontina) e agora pertence a dois antigos garçons que trabalharam lá desde a inauguração.

     Mantém a palavra “café” no nome, mas há muito tempo que deixou de servir os chás, chocolates quentes e cafés, simplesmente porque os casais que freqüentam este local, preferiram outras formas de se aquecerem do frio que ronda a região.

     Na parede do fundo ficam afixados os prêmios recebidos, entre eles os de melhor bar para ir a dois, em 2004 e 2008, conforme avaliação da Veja. Reserva metade das 10 mesas pelo telefone 3225-1558 e segura a reserva até 21:30 horas. A maioria das mesas estava ocupada por casais e vi vários deles voltarem depois que as mesas sem reserva já tinham sido ocupadas e as mesas com reserva ainda estavam vazias.

     O balcão que ocupa toda a lateral esquerda do bar, permite que casais bebam alguma coisa enquanto esperam vagar mesas; há alguns que preferem ficar neste balcão, sentados em dois dos doze tamboretes disponíveis.

     Além da pitoresca localização, que permite ver a fachada colorida da casa situada no nível abaixo da rua, a decoração é feita com peças de demolição, ladrilhos hidráulicos, um antigo vitral e parede de tijolos à vista, que garantem um ambiente intimista ideal para um começo de namoro de quem já passou dos quarenta anos.

     Além das caipirinhas bebidas pelas mulheres tomamos cerveja Áustria do tipo weiss, de trigo. Pelas informações disponíveis no cardápio, entendemos que essa era o tipo que mais combinava com o tradicional filé de gorgonzola. Deixamos a Pilsen e a Amber (escura) e o chopp, tudo fabricado pela Krug, para outras ocasiões.

     O Pacífico Mascarenhas deixou lá o hábito de se escutar música de boa qualidade, na intensidade que se ouve uma bossa nova e pude registrar Amigo e Pra Essas coisas, Andança, Apesar de Você e outras desta safra.

     A carta de vinhos com os 15 tintos importados, com seus preços por volta de R$40,00, é tão clássica, que deixa qualquer inciante com a sensação se sentir como um especialista em vinhos. Lá estavam o Santa helena, Leon de Tarapaca, Cassilero del Diablo, Valpolicella, Concha y Toro, Periquita, Terrazas, Casa Rivas, Lambrusco, com seus preços por volta de R$50,00.

     E para um lugar tão especial convidei um casal especial: a Cláudia e o Vamberto, que me convidou para Jeceaba. Se este blog fosse coroa de defunto, eu escreveria nele: “Minha eterna gratidão”.

Anúncios