Arquivo do dia: 29/08/2009

28 de agosto – Restaurante Matusalem

DSC05467reduzida

Cheguei com a Cristina na Serraria Souza Pinto, por volta das 20 horas, preparado, com uma fome que nem te conto, decidido a comer os pratos dos doze restaurantes que estavam participando do Cachaça Gourmet, os quais tinham cachaça na sua preparação.

O evento (R$20,00 o ingresso) duraria 12 horas, das 18 às 6 da manhã, com direito a show do Don e Juan, no final; para evitar tal problema cheguei bem cedo.

Deixaram os estandes dos restaurantes do lado direito, os de cachaça do lado esquerdo, os dois de chopp no meio, nas extremidades e os de drinks entre os de chopp, deixando o meio do salão mais livre para as pessoas transitarem e assistirem aos shows.

Antes do primeiro prato tomei uma prova na cachaça Prazer de Minas, atravessei o salão e fui conhecer a Maminha ao Empório do Empório Savassi (Paraíba 1323) que deixava o gosto da cachaça presente no molho que acompanhava a pequena porção de maminha.

As provas de cachaça eram de graça e os pratos custavam R$5,00.

Segui em frente e pedi a Costelinha à moda do Engenho do Caminho da Roça (Avenida Fleming 1472), na qual tiveram a felicidade de combinar rapadura derretida com farofa de biju. O Daniel já tinha chegado e reforçava o time que mantinha o propósito de conhecer todos os pratos.

Atravessamos o salão e provamos da Acuruy, com sabor de Murici e na volta comemos o Javali à Moda Tapuias do Oca dos Tapuias (Av. Francisco Sales 120) que, como se diz em desfile de escolas de samba, não levantou a arquibancada.

Uma dose de Coluninha (eu já estava gostando desde vai e vem pelo salão) precedeu o Porco Embriagado do já visitado Caminho da Roça, servido com uma Dedo de Moça. Nesta altura, a minha boca, marcada pela cachaça e pela pimenta, já dava sinais de não conseguir avaliar bem o que viria.

Uma dose da cachaça Poesia (Munhoz – MG) tentou abrir espaço no meu estômago para a Dobradinha Casamenteira na Cachaça do Fátima Bahia (Rua Salinas 1375) a qual, apesar do meu estado, apresentou-se muito bem, em carreira solo.

Como todo o corpo, pernas inclusive, já davam sinais de cansaço, decidimos encerrar o festim no Restaurante Matusalém (Av. Portugal 3.287 – Santa Amélia – 34479973) com o Galopé Recheado sobre Leito de Serralha com Cachaça. Para tanto, Daniel tomou uma caipifruta e provamos da Salinas.

A dona, Baianinha, preparou um galopé de forma bem criativa. Desossou o pezinho do porco e a coxa do galo, cortou as carnes – inclusive o pernil – em pequenos cubos, temperou (sal, salvia e pimenta) preparou um cilindro de carne coberto com a pele do porco, cozinhou em refogado de cebola, alho e cachaça e o serviu em fatias, acompanhado de serralha refogada, arroz branco e crocante de mandioca. Grand finale!

A Cristina já estava escolhida como a motorista da rodada, mas pelo bem do dia seguinte eu já tinha mudado para Coca Cola.