02 de outubro – Tradição da Roça

DSC05575reduzida

Foi de um dos 680 lugares do Tradição da Roça (Av. Francisco Firmo de Mattos, 212 – Contagem – 3396-1870) que vi, pela televisão, o Rio de Janeiro ser anunciado como cidade sede das Olimpíadas 2016 e o Otto irromper em palmas. Não sabia se ele aplaudia a decisão ou se aplaudia os esforços do hábil negociante Lulinha da Silva, que sabe seguir o cheiro de uma vitória. Ele me disse, logo depois, que não conhece ninguém, além de mim, que defenda o Lula. Como vocês podem ver, ele anda muito mal de companhias e de leituras.

O Aparecido, há onze anos à frente deste restaurante, coloca à disposição dos fregueses que vierem ocupar suas 140 mesas, 160 tipos diferentes de alimentos, sendo que são 64 saladas e 15 cortes de carne por um preço que varia de R$20,90 a R$28,90 o quilo, dependendo do dia e do horário.  Fica aberto todos os dias e fecha apenas nas noites de domingo e segunda; o Aparecido avisa que vai ter que esperar uns 40 minutos quem chega após 14 horas nos domingos e feriados.

Cobra de terça a sábado, por R$2,00, e aos domingos, por R$1,00,  pelo couvert artístico individual e proíbe que se dance, como também não aceita cheques. O dono conhece sua freguesia e sabe os riscos que corre em ambos os casos.

Se pintar um clima você pode esnobar com um Periquita a R$39,90 ou até mesmo com Canção Pêssego a R$14,50, acompanhado das dez opções de petiscos, cujo maior valor não ultrapassa R$12,00.

Optei por experimentar apenas a capivara e estava saborosa, bem temperada e assada criteriosamente. Eu que normalmente me sirvo de apenas dois pedaços de torresmo, enchi o prato após a degustação escondida de um. A aparência, que já dava sinais bons sinais, se juntou ao sabor crocante e magros destes torresmos para confirmar um bom resultado. E todas as opções que fiz dos pratos de salada foram acertadas.

Esses restaurantes do Barreiro e de Contagem vão acabar me trazendo problemas de colesterol no próximo periódico.

Anúncios

Uma resposta para “02 de outubro – Tradição da Roça

  1. Não resisti…

    Antonio Prada
    Direto de Copenhague

    Lula reza, chora, supera Obama e dá show em Copenhague

    “Cinco minutos antes do início da cerimônia de anúncio da sede da Olimpíada de 2016, o presidente Lula, que estava no hotel esperando a escalada da votação, chega ao auditório do Bella Center. Carrega um séquito de seguranças, ministros e assessores. O solene e sóbrio evento do Comitê Olímpico Internacional (COI) tinha roteiro e, se fosse qualquer outro país, seria seguido à risca. Mas lá vai Lula, roubando olhares e palmas de uma plateia que muitas vezes não demonstra qualquer emoção.
    Lula senta-se na primeira fila. Nervoso e impaciente, levanta-se e tenta cruzar todo o palco, talvez para cumprimentar o companheiro José Luis Zapatero, chefe de Estado espanhol e rival nesse embate olímpico. Na mesma hora a voz do microfone anuncia: “dois minutos para começar”. Lula é içado, dá uma paradinha que lembra aquela do Rubinho Barrichello no pódio. Senta novamente. Arranca gargalhadas da plateia. O protocolo se desespera. Timidamente.
    Mas ainda dá tempo. Lula faz o sinal da cruz. Sentado do lado oposto, de frente, Joseph Blatter, presidente da Fifa e membro do COI, com direito a voto, não tira os olhos de Lula. Parece magnetizado. Cutuca os membros do COI ao lado. Repete o sinal da cruz de Lula, indicando a eles o gesto do presidente do Brasil. Ri. Balança a cabeça, como se dissesse que esse cara não existe. Muitos outros presentes não tiram o olhar do brasileiro.
    Quando o presidente do COI, Jacques Rogge, pronuncia a palavra Rio de Janeiro e vira a placa, uma explosão de alegria do lado brasileiro. Lá está Lula pulando como um torcedor qualquer, abraçando todos, chorando como se fosse uma criança. Imediatamente tenta partir em direção à delegação espanhola. Não consegue. É bloqueado, como num jogo de futebol americano. Mas fura o bloqueio. Sob o comando de Lula, a comemoração brasileira em Copenhague vira carnaval baiano. Pipoca pura. Sem direção.
    Segue a pipoca o sempre recatado escritor Paulo Coelho. “Pula, pula Paulo”, incentiva uma brasileira. E Paulo pula. Lula e Pelé comemoram o gol da Olimpíada juntos, bandeira do Brasil nas costas. Juntam as lágrimas. Arrastam mais uma multidão. Lula para e faz questão de abraçar Juan Antonio Saramanch, 89 anos, ex-presidente do COI e artífice da candidatura de Madri, sentado no meio do tumulto. Dá um beijo na testa dele. Depois, segue em frente e finalmente encontra Zapatero. Trocam um forte abraço. Cochicham ao pé do ouvido, envolvidos por uma multidão, feito almôndegas.
    Meia volta. Lula arrasta a turba de novo. Na contramão. Bandeira brasileira na mão. Vê Guga no caminho. “Guguinha, Guguinha. Me dá um abraço”. Começa a cantoria. “Cidade maravilhosa cheia de encantos mil…”. Lula agora vira puxador da alegria, seguido por Hortência, Janeth, Daiane dos Santos, Isabel Swan, César Cielo, Bernard.
    Encontra Pelé de novo no caminho. Outro abração. Encorpado. A segurança vai arrastando Lula para fora do auditório, levando também alguns ministros, seguido por dezenas de câmeras. Pipoca política. Lula carrega a bandeira no ombro. Desce a escada. Já no hall inferior, desdobra a bandeira, ajudado por outras pessoas, e cria mais uma imagem que vai percorrer o mundo. Depois é carregado para uma sala.
    Meia hora depois, Lula está de volta para a entrevista do vencedor. E o primeiro a sentar à mesa. Parece entorpecido. Põe os fones de ouvido, embora não tenha ninguém falando. O governador do Rio, Sérgio Cabral, chega e senta do seu esquerdo. Antes da entrevista acontece a cerimônia de assinatura do contrato, em outra mesa. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, levanta a caneta, como se fosse troféu. Fica de pé. Beija a caneta. Corre para Sérgio Cabral e o faz também beijar a caneta. Tenta que Lula também beije, mas Lula despista, vê a caneta e devolve-a.
    Jacques Rogge parece não acreditar no que vê. Mas ainda não tinha visto nada. Lula tem Nuzman de um lado. E Sérgio Cabral de outro. Do lado de Nuzman está o presidente do COI, Jacques Rogge, impávido como Bruce Lee.
    Nuzman é o primeiro a falar. Desfila elogios a Lula, Cabral e Paes. Mas foca suas palavras em Lula, que se emociona. E chora. Copiosamente. Por minutos. Estanca as lágrimas com um lenço. Encobre o rosto. Cliques de máquinas e flashes pipocam de todos os lados. Outro momento para ser espalhado pelo mundo.
    Quando tem a palavra, Lula derruba o protocolo mais uma vez. Começa a falar de Jacques Rogge, que estava sem fone para seguir a tradução simultânea. Cutucado por Nuzman, põe o fone e ouve: “primeiro queria agradecer ao Jacques Rogge pelo carinho, pela gentileza. Todo mundo dizia na minha delegação: ¿mas ele não ri? Ele está sempre muito sério. Será que ele gosta de brasileiro ou não gosta de brasileiro?’ E eu fico pensando muitas vezes que, no papel de presidente, a gente não pode rir. Temos que mostrar a maior seriedade”. E Jacque Rogge bem que tenta, mas não segura. E ri. Lula fez o impávido Jacques Rogge sorrir.
    Lula fala de Obama, brinca com a vitória sobre o presidente norte-americano. É aplaudido no auditório pelos brasileiros de plantão. Tem o nome gritado em uníssono. E continua. Diz que é amigo pessoal de Zapatero e que só não é amigo do primeiro-ministro japonês por que ele é muito novo e está no cargo “há apenas duas semanas”. E que no Japão “você dá bom dia a um primeiro-ministro e boa tarde a outro, pois eles mudam a toda hora”. Nova quebra de protocolo. E risos, alguns nervosos, ecoam no auditório.
    Lula também começa a cutucar Jacques Rogge com o braço, quando quer falar diretamente com ele. Discreto e claramente incomodado, é ajudado por Nuzman na tarefa de conter o presidente brasileiro. Já cansado de responder e discorrer sobre os mesmos assuntos, Lula tenta terminar o discurso e levantar da cadeira. Não consegue.
    Responde a mais algumas perguntas e diz que quer voltar logo para o hotel e ligar para mulher Marisa. Não sem antes deixar a ultima pérola: “Depois de 2016, vamos brigar por uma Olimpíada de Inverno”, brinca com uma provocação política. Mais aplausos e Jacques Rogge avisa ao assessor de imprensa do COI que é uma boa oportunidade para encerrar a entrevista, totalmente fora de qualquer padrão olímpico. Lá vai Lula, de novo arrastando multidões, perdendo-se nos corredores do Bella Center, no dia mais feliz de sua vida, segundo suas próprias palavras. E lá vem a Olimpíada com o tempero brasileiro.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s