13/4/10 – Bar e Rest Estrela Dalva

Depois que o Pedrinho me disse – ele sempre gosta de relembrar isto – que o Padre Antonio Vieira, num de seus famosos sermões disse que no Maranhão todo mundo mente, inclusive o céu, resolvi fazer uma caminhada pela orla da cidade, conhecida por Litorânea.

O Padre Vieira dizia que o céu mentia já que o tempo aqui muda de repente, pegando a todos de surpresa. Como nesta terça-feira amanheceu com um chuvisco e eu não sabia qual era a mentira que o céu iria me pregar, não arrisquei a ir à praia; fui apenas caminhar.

Entre chuviscos e sol percorri os cinco quilêmtros da orla parando várias vezes para uma água de coco, para uma água mineral, para uma cerveja com Peixe Pedra ou para um picolé de cajá, até chegar na já recomendada Barraca Estrela Dalva para o almoço. Em cada parada um pouco de leitura da biografia de Fidel, livro que Marcelo me emprestou.

E o pedido foi um mariscada de Sarnambi (R$19,00) – um marisco menor que o Sururu – que vem acompanhado de arroz branco, farofa, limão e batata. Não conseguir comer nem um terço do prato já que as porções são sempre bastante generosas e não estava com tanta fome assim.

A pimenta disponível em todos os lugares é sempre bem mais fraca que as pimentas disponíveis em Beagá e a farofa – apesar da minha origem salinense – sempre volta intocada.

A surpresa ficou reservada quando saímos à noite para ouvir um chorinho no Por Acaso que fica na Lagoa da Jansem e a Léa me contou – informação confirmada no Aurélio – que a palavra Maranhão significa mentiva, mexerico, fofoca. Aí entendi a brincadeira do padre.

Anúncios

5 Respostas para “13/4/10 – Bar e Rest Estrela Dalva

  1. E eu em BH nao aguentando mais as sopas da Geysa e cada vez mais violeta.

  2. Há quanto tempo…

    Gostei da foto com o Fidel ao fundo!

    PS: depois pede pro Marcelo te levar num reggae…

  3. Gente, e a musa que falou??????!!!!!!!!

    Nada como um silêncio forçado entre quatro paredes pra fazer qualquer um quebrar o jejum!

  4. augustonobuteco

    Gostei, foi uma crônica deliciosa do Maranhão, da culinária e da essência do povo daqui. E a melhor foto também. Meu amigo estava inspirado. Aquele abraço do Pedrinho

  5. augustonobuteco

    Aqui é o Pedrinho, eu não sei porque está saindo como o Augusto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s