7/2/11 – Mixido

Um bar que pretende atender uma freguesia no fim de noite – funciona de segunda a sexta das 17 as 7 da manhã – não pode se preocupar em servir pratos lights. Tem que ser pesados para levantar o defunto, exageradamente temperados pra sensibilizar a boca anestesiada, fartos e gordurosos para equilibrar o álcool. Além do mais, comida mineira light não existe.

E, sinceramente e infelizmente, não encontrei nada disso no Mixido que fica na Avenida do Contorno 5602 (3221-0886), na Savassi. É um bar para atender um amontoado de gente que não sabe o que está fazendo alí, um bar sem cara, sem identidade, sem tempero, literalmente.

Mixido Mineiro a R$16,50 – o principal prato da casa, o mais vendido conforme informações do garçon, feito com arroz,  feijão, lombo, linguiça, ovo, tomate e cheiro verde estava frouxo, sem pegada, sem tempero. Os dois torresmos sobre o feijão com arroz, que não constavam da lista de ingredientes, mais pareciam um efeito, um enfeite. Imperdoável, o prato que dá nome ao bar tinha que ser mais bem tratado, tinha que ser o melhor da casa. 

São doze tipos de mixidos e o Mixido Italiano – arriscamos também nesse – tampouco atendeu às minhas expectativas. Nada posso dizer sobre a qualidade dos outros dez tipos de mixidos, nem sobre os petiscos, as porções, os espetos, os brochetes, as carnes, as saladas, as massas, os caldos, os sanduíches e as sobremesas. Apenas que eram servidos com capricho e tinham um aspecto muito bom.

Sobreviver, sobrevive porque aquela esquina, no pé do tobogã é muito boa, rodeada de bons bares por todos os lados.

Anúncios

13 Respostas para “7/2/11 – Mixido

  1. Caro Augusto,

    Engraçado que em minhas duas idas ao Mixido constatei tudo aquilo que relata sobre o lugar; sem identidade, excessivamente barulhento e com um público que parece ter parado ali por engando. Mas a cozinha eu até apreciei.

    Devo dizer, contudo, que quando experimentei o prato que dá nome à casa, o aspecto do mesmo estava mais convidativo, mais com cara de mexido mineiro. Teria a cozinha perdido o padrão?

    A propósito, gostaria de registrar enfim as minhas sugestões de buteco:

    O primeiro é o Bar Tim Tim (também conhecido como Bar do Nelson). Situado na Avenida Vicente Risola com Minduri, no Bairro Santa Inês, as suas especialidades são a panqueca de frango com palmito (quinta), rabada com agrião (sexta) e pernil com farofa (todos os dias).

    Outra boa pedida, já mais conhecida na cidade, é o Bar Mulão, que participou do Comida di buteco 2010 (tendo sido “rebaixado”), e é um dos que mais tenho frequentado ultimamente.

    São vários tipos de bolinhos de carne fritos, além de porções como canjiquinha, carne de panela, caldos e até sopa de legumes na segunda-feira, que assim como a feijoada aos sábados, é um casamento perfeito.

    Fica na Rua Marambaia, Bairro Caiçara.

    Um abraço,

    Pedrão

  2. Adriana Murta

    Caros,
    Desculpe-me a intromissão, mas mixido no fim da noitada, (ou no início tb) muito bom é lá no Chopp da Fábrica, antigo Passa Quatro. Na contorno em frente ao hospital militar. As especialidades da casa, dentre elas o mixidinho, mixidão, laricão… são fartas e bem feitas. Merece sua apreciação Augusto!
    Abraços,
    Adriana Murta
    Abraços,
    Adriana

  3. augustonobuteco

    Pedrao,
    Obrigado pelas dicas. Tá tudo anotado.
    Qualquer dia dou notícias.
    Um abraco,
    Augusto

  4. augustonobuteco

    Adriana,
    eu me lembrei agora do poema “Irene” do Manuel Bandeira, que termina com Sao Pedro falando com Irene quando ela chega ao céu e pede licenca pra entrar: – Entra Irene, voce nao precisa pedir licenca.
    E pra voce eu digo: voce nunca se intromete aqui, voce é de dentro da casa.
    Um abraco,
    Augusto

  5. Rodrigo AR

    Concordo com os comentários sobre o Mixido. Este da foto está até com mais feijão e com aparência apetitosa. A proposta deve ser algo mais leve mesmo. Deve ser orientação de nutricionista. Ou redução de custo mesmo. Falta sabor e sobra arroz. Pouca carne. Uma opção um pouco melhor é o mexido espanhol. Ou mexicano. Não lembro. É mais picante.

    O do Chopp da Fábrica é realmente delicioso. O prato para uma pessoa serve duas tranquilamente. O que é bastante estranho é não ter chopp na casa.

    Abs.

  6. Bárbara Fonseca

    O mexido do Chopp da Fábrica é realmente uma delícia! Mas perdição mesmo, na minha opinião, é o angu a baiana de lá. Não sei se ainda é tão gostoso, pois já faz um tempinho que comi, mas me lembro que parecia com aqueles que a gente só encontra em barraquinhas de festas do interior..delícia!

  7. Rodrigo AR

    Bárbara, será que não é a polenta? Hum….. A polenta de lá é realmente muito boa. Polenta mineira. Que pode ser apreciada em fotos por este link aqui:

    http://baixagastronomiapornenel.blogspot.com/2009/08/mexidao-polenta-chopp-da-fabrica.html

    Vale lembrar que tudo lá é bem servido. Quer dizer, com fartura. Lembrei-me de uma história. Certa vez fui perguntar ao garçom lusitano se um prato era bem servido. Ele educadamente descreveu os talheres, pratos e taças. Respondi: ótimo.

    Abs.

  8. Gostei do debate sobre o melhor mexido da cidade, que acaba indo de encontro ao assunto “melhor final de noite”.
    O tradicional prato do Chope da Fábrica (mexidão) é de fato um dos melhores, com jeitinho de comida caseira e tudo.
    Já no Bolão vou sempre de Rochedão, que para mim supera o Laricão (similar do Chope da Fábrica) e os demais do gênero.
    Dentre as massas, para final de noite destaco às do próprio Mixido (lá servem isso também) e o macarrão de panela do tradicional Recanto Verde (não é tão fim de noite, mas nos FDS vai até umas 03 da madruga…).

    Augusto,

    Fico torcendo pelo sucesso das visitas.

    Abraços a todos,

    Pedrão

  9. Augusto, fazer mixido tem muita técnica. O melhor mixido que comi era que eu costumava fazer quando chegava em casa de madrugada, nos idos de 1990s. Tinha que ser feito com as sobras do almoço. O melhor era quando sobrava moranga com quiabo, feijão, arroz e um bife. Colocava tudo bem calculado na panela e misturava até dar o ponto. Em paralelo fazia um ovo frito na manteiga em uma frigideira tampada e finalizado com um fio de água para cozinhar a parte superior do ovo (fazer ovo tem que ter técnica sim!). Opcionais era o tomate picado com cheiro verde, farinha de mandioca e pimenta malagueta! Delicioso!!

  10. Adriana Murta

    Obrigada Augusto! É lindo esse poema do Bandeira!
    Ai o Recanto Verde!!! Que saudade…o pimentão rechado de lá tb é maravilhoso!!
    Abraços

  11. Bárbara Fonseca

    Vixe Rodrigo! É essa mesmo! Putz, essa polenta é muito boa. Sou do interior e sempre que há festas religiosas ou qualquer outra festividade de rua, tem uma barraquinha com esse angu (ou polenta..). Salivei ao ver as fotos! Para fim de noite, não há nada melhor.. é comer e dormir, com a barriga bem quentinha…kkkkkk Ressaca passa longe!
    Um beijo!

  12. Flavio Morais

    Gostei da foto. O prato ficou bonito com esse “zuiudo” por cima.

  13. Mexido bom, barato e em grande quantidade eh o do Chopp da Fabrica. O melhor fim de noite de BH.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s